Agrotóxicos na Alimentação

Agrotóxicos na alimentação e risco de cânceres

Um artigo elaborado pelo professor doutor Hasime Tokeshi, da fundação Mokiti Okada, traz com clareza e brilhantismo explicações científicas sobre um dos piores males que ameaçam a humanidade: o uso de agrotóxicos, que são usados indiscriminadamente e, muitas das vezes, sem necessidade, ou sem nenhum tipo de controle, ou, pior ainda, com o agricultor utilizandoos sem nenhum critério de época a ser aplicada, quantidade a ser usada, cuidados básicos consigo mesmo, etc.

Dentre os venenos citados pelo Dr. Hasime, um grupo se destaca: os organoclorados, banidos em alguns países e usados em outros, embutidos com outros nomes ou siglas indecifráveis em terceiros, e por aí segue. Esses venenos estão amplamente disseminados na natureza e são encontrados em geleiras localizadas a mais de 800 quilômetros do Polo Norte, longe, portanto de qualquer lavoura ou plantação. Acumulam-se com extrema facilidade, especialmente nos tecidos gordurosos dos seres humanos e dos animais; lembremos que mais de 60% do nosso cérebro é composto por substâncias lipídicas, que são compostos que dificilmente se degradam na natureza, já que não existem micro-organismos com enzimas capacitadas para esta função.

Essa classe de agrotóxicos assimila receptores de estrógenos, aumentando enormemente a probabilidade de câncer de mama, tanto na mulher como no homem (neste é mais agressivo ainda), e dando um aumento também no número e na agressividade do câncer de próstata. À parte, isso diminui o tempo de amamentação infantil, pois reduz a produção do leite materno, que, com isso, fica muito mais suscetível a uma série de doenças e a um grande aumento da mortalidade infantil.

Portanto, sempre que possível, devemos consumir alimentos orgânicos. Evitar os enlatados e embutidos e descascar os alimentos antes de ingeri-los, deixá-los horas de molhos em água com bicarbonato, limão e vinagre, escová-los muito bem, e lavá-los com todo o cuidado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
2 − 1 =