Envelhecimento com saúde

Envelhecimento e obesidade

Estamos no século XXI, o século em que a estética, a beleza e a busca pela elegância natural passaram a ser algo do nosso dia a dia, produtores de um bem-estar psíquico e físico que estão intimamente ligados à nossa saúde e à medicina preventiva em especial.

Nós, médicos, que há mais de 20 anos trabalhamos na melhoria da qualidade de vida dos nossos pacientes, na prevenção das doenças e na luta contra o sofrimento e contra o envelhecimento, temos que saber aliar a máxima corpo-mente.

E quando falamos nessa máxima, isso implica necessariamente num cuidado permanente com nosso estilo de vida: alimentação equilibrada e o mais natural possível; a ingestão segundo as necessidades de cada um, dos antioxidantes (vitaminas; minerais; enzimas; lactobacilos; hormônios bioidênticos etc.).

Exercício físico, sem exageros, mas constante, é prazeroso. O cultivo da mente com a boa música, a boa leitura, o estudo: frequentar ambientes agradáveis e saudáveis; trabalhar no que gosta, em suma, na luta diuturna por uma vida agradável.

Isso passa necessariamente pela luta contra o estresse e sua expressão máxima. Os radicais livres, moléculas que são produzidas continuamente em nosso organismo; e que, se, num primeiro momento nos defendem contra diferentes agressões (bactérias, vírus, fungos, etc.); num segundo momento são devastadoras para a nossa saúde como um todo.

Quando falamos no equilíbrio da mente e do corpo, como já preconizavam os gregos antigos, nós temos que pensar em tudo que escrevemos acima, mas indiscutivelmente eu também gosto de falar em vestimenta, em roupa, em moda.

Roupa e moda que nos deixe à vontade, que diminua nosso estresse, que nos faça estar mais leves, felizes e em sintonia com nós mesmos e com o nosso ambiente.

A medicina preventiva, a nutrologia, a luta contra o envelhecimento têm 1.000 facetas. Fora o que citamos acima, temos que levar em conta também a genética. Coube ao Instituto Karolinska, de Estocolmo, na Suécia, o privilégio de ter sido o primeiro centro de pesquisa mundial a identificar o gene do envelhecimento.

Mas, principalmente, nos explicar a ação desse gene, que é basicamente aumentar a capacidade do nosso organismo em se defender dos radicais livres. Ou seja, das agressões do dia a dia. Por exemplo: do cigarro; do álcool; das ansiedades; da alimentação desbalanceada; da sobrecarga de trabalho, especialmente quando este não gera prazer; dos choques e conflitos; do estresse em suma.

Portanto, se não tivemos a sorte de nascermos com esse gene, o melhor a fazer é aumentar nossa capacidade de se proteger contra as situações acima e, resumidamente, procurar estar de bem com nós mesmos e com o meio em que vivemos.

Cuide-se muito, se vista com conforto e sinta-se bem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
11 × 9 =