8 dicas para manter o sistema imune forte

Prevenção de doenças e qualidade de vida

Poderíamos listar uma quantidade enorme de situações que ao menos, em princípio, facilitariam esse ideal. Especialmente neste momento de extrema preocupação com a pandemia da gripe H1N1, cuja principal defesa contra ela, no momento, é manter o sistema imune extremamente forte e ágil.

Uma grande preocupação predomina hoje em todos nós: como ter uma vida com qualidade, saúde e podendo exercer plenamente todo o nosso potencial, sem as limitações eventualmente impostas por diferentes patologias?

Como fazer?

Vamos listar oito situações básicas, por todos conhecidas, mas raramente executadas que auxiliam o sistema imune a permanecer resistente:

  • Consultar regularmente seu médico. Manter seus exames e vacinas em dia.
  • Dormir a quantidade de horas ideais para o seu organismo: segue valendo a média de 6 a 10 horas – conheça bem sua necessidade de sono. Respeite-o. Discipline o seu horário de deitar e levantar e crie um verdadeiro ritual, facilitando que tenha um sono profundo e reparador. Com isso, liberasse a quantidade necessária de um dos hormônios mais importantes para a espécie humana, o HGH.
  • Manter a alimentação mais saudável possível. Segundo a Organização Mundial da Saúde, um dos pratos mais equilibrados nutricionalmente é o trivial, ou comum brasileiro: arroz (se possível integral), feijão, proteína animal (carne, ovos e queijo); muitíssima salada crua e legumes cozidos; sobremesa ou uma fruta, ingerindo-a com a polpa. Evite os sanduíches, os enlatados e os embutidos. Em suma, evite aquele padrão alimentar que pode até dar certo em outros países por seu clima, pelo biótipo de sua gente e pelo seu estilo de vida, mas que nada tem a ver com a realidade brasileira, ou seja, massas, doces, refrigerantes, bebidas alcoólicas etc.
  • Alimentar-se implica também em mastigar bem os alimentos. Como sempre, sugerimos aos nossos pacientes mastigar lentamente e fazer das refeições um momento de paz e tranquilidade: sem celular, sem televisão, sem assuntos ou pensamentos que gerem conflitos.
  • Procure ingerir pouquíssimo líquido durante as refeições. De preferência suco natural ou água pura ou água com suco de limão, mas não mais do que meio copo, para facilitar a manutenção do pH digestivo. Consequentemente, terá uma digestão muito mais leve, mais fácil e saudável. O contrário desregula, inclusive, a imunidade; predispõe até alguns reumatismos; sem contar a distensão; a flatulência; e a constipação própria de uma digestão lenta e incompleta.
  • Mantenha a função intestinal normal. Ou seja, evacuando ao menos uma vez ao dia. Para isso, dependendo, primeiro, da quantidade de água ingerida; segundo, da quantidade de fibras na alimentação; e, terceiro, disciplinando o horário de evacuar, para facilitar que os detritos, as toxinas e outros venenos sejam eliminados, evitando uma verdadeira autointoxicação que desregula todo o nosso organismo.
  • Exercite-se regularmente, sem desculpa de tempo. Caminhe, corra, dance, faça academia etc. As opções superam qualquer desculpa. Tenha controle rigoroso do peso. Sobrepeso não é mais visto somente como uma questão estética, mas, principalmente, de saúde. Quanto mais sobrepeso, mais probabilidades de diabete, alguns tipos de cânceres, depressão, hipertensão arterial etc.
  • Mas, talvez, o principal seja o controle ou o domínio do estilo de vida. Controlar as tensões, as ansiedades, os medos, os enganos. Esses itens talvez sejam os mais difíceis. O estresse é uma doença altamente abrangente e agressiva. Segundo os estudiosos do tema é uma das poucas doenças que consegue “agredir”, desregular, envelhecer uma e todas as células vivas do nosso organismo (e olhe que são mais de setenta trilhões de células); nenhum câncer tem essa abrangência. O estresse, repito, agride e desregula todas as células, tecidos, órgãos, sistemas e todas as funções do nosso organismo. Jamais podemos aceitá-lo como uma doença do momento, algo “normal” em nossas vidas que sempre estará presente, ou que se deve aos outros, ou que é o nosso “jeitão”. Não! Estresse é uma doença que, repito, adoece todas nossas células vivas: dos neurônios às células de defesa. E acaba com o sistema imune. Portanto faça todo o possível para não aceitá-lo como algo “normal” em sua vida.

É sempre bom lembrar também que o estresse é altamente contagioso, tem uma capacidade imensa de se expandir e contaminar todos os que estão próximos de nós. Prejudicando o sistema imune. E se tornando um caminho rápido e fácil para o alcoolismo, para o cigarro e para outras drogas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
24 + 15 =